Page images
PDF
EPUB
[merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][graphic][subsumed][ocr errors][merged small][merged small][merged small]

BV2230
P25

ADVERTENCIA

Projectáramos em 1853 escrever à historia do padroado portuguez na Africa, na Asia e na Oceania.

O estudo a que fomos obrigados pela natureza e importancia do assumpto, mostrou a necessidade de colligir os documentos ecclesiasticos e civis, que deviam servir de base ao trabalho, e escrever depois, não simplesmente a historia do padroado, mas a historia ecclesiastica ultramarina, sem a qual não póde ser aquella comprehendida.

N'este intuito dirigimos alguns annos o trabalho, até sermos d'elle officialmente encarregados, como obra do governo, em 1863, pelo então ministro da marinha o sr. Mendes Leal.

Estando já impressos quatro volumes de documentos ecclesiasticos, sob o titulo de Bullarium patronatus Portugalliae regum, começamos a publicação da Historia ecclesiastica ultramarina, dividida em dezeseis volumes, pela fórma seguinte:

Africa septentrional...

Africa occidental. . . . .

[merged small][merged small][merged small][ocr errors]

Bispado de S. Thomé-tomo III.

Bispado de Angola e Congo-tomo IV.
Prelasia de Moçambique-tomo v.

Africa austral e oriental Patriarchado de Ethiopia ou Abyssinia

[blocks in formation]

Deve a estes seguir o XVI volume sobre a natureza, fundamento e prerogativas do padroado da corôa portugueza nas Igrejas ultramarinas, e historia das luctas que tem motivado até ao seculo xix.

Pelo systema que adoptámos póde cada volume constituir um tratado independente; o que nos permitte ir publicando depois d'este primeiro os que julgarmos de maior interesse.

O publico comprehende o estudo e trabalho que deve ter custado uma obra d'esta natureza; não nos poupámos a um nem a outro, nem nos desalentou o ver que não poderam levar a cabo similhante empreza dois homens notaveis do seculo passado, a quem a academia de historia a commettera, o theatino D. Antonio Caetano de Sousa, e Antonio Rodrigues da Costa, conselheiro do conselho ultramarino.

Cumprimos o nosso dever, sem subsidio de qualquer especie, sendo até forçados a pagar do nosso bolso as copias de documentos.

25 de maio de 1872.

« PreviousContinue »